Inicio Quem escreve Confira as fanfics Li e recomendo Dicas, tutoriais e muito mais Fale comigo Image Map

A Usurpadora - Cap 10 - Desconfianças

Cap 10 - Desconfianças

Isabella PDV

- E quem é Brian? – Edward perguntou em um tom um pouco mais exaltado.

Não o respondi, apenas peguei o telefone das mãos de Ângela e me distanciei para poder conversar com meu irmão, mais tranqüila.


- Brian? Aconteceu alguma coisa amor?  - perguntei já desesperada.

- Oi Bella! Nada muito grave não. Eu tive um desmaio e acabaram me trazendo para esse hospital chato. Parece que já vou ser liberado, e me deixaram usar o telefone. E como você tinha me dado o numero...
Respirei mais aliviada, sentindo o desespero maior abandonar meu corpo rapidamente.

- Desmaio? Você esta bem mesmo?

- Estou sim, Bella. Não foi nada demais... – Falou com a voz triste. Eu conhecia meu irmão bem demais para saber que alguma coisa estava errada.

- Pode ir falando... - O intimei. Apesar do desmaio, eu já estava avisada de que eles seriam comuns em Brian assim que ele começasse o tratamento. Por isso já sabia que a súbita tristeza em sua Vox não tinha nada a ver com seu quadro medico.

- É que eu estou com saudades sabe... – Sorri, deixando a tristeza se aprofundar de mim também.

- Eu também amor, muitas saudades. Você não imagina o quanto.  – Olhei para trás vendo que Edward vinha em minha direção.  – Mas olha, não fica assim não ta? Eu vou te visitar amanhã mesmo, okay?

Ele riu me parecendo mais feliz. Eu poderia imaginar como ele estaria passando por toda essa situação longe de mim, que sempre estive ao seu lado.

- Tudo bem, te espero. Te amo! Beijo!

- Também te amo muito loirinho. Ate amanhã. – Desliguei assim que Edward estava próximo o suficiente para ouvir minha conversa.

- Quem é Brian, Bella? – Perguntou. Senti que seu humor tinha mudado drasticamente. Ele parecia nervoso e extremamente chateado.

 - Um amigo, Edward. Por que você esta assim? – Perguntei tentando mudar de assunto rapidamente.

- Que amigo? – Suspirei. Falando a primeira coisa que me veio à cabeça.

- Ele é irmão de uma amiga minha, ela esta doente, e ele me ligou para dar noticias dela. Só isso.

Esperei pela reação dele, rezando para que minha explicação fajuta tivesse sido aceita. Ele me examinou e pareceu ficar menos nervoso. Passou as mãos pelos cabelos tentando se acalmar. Será que ele tinha essas reações com Anabella também? Ou já começava a desconfiar de algo?

- Desculpe, Bella.  Mas é que Jessica fica buzinando coisas em meus ouvidos, e isso acaba me deixando nervoso.

Suspirei. Estava mesmo demorando para as pessoas aqui dentro começaram a trabalhar contra mim, contra Anabella na verdade.

- Tudo bem, Edward. Só não de ouvidos, okay?  - Coloquei a mão em seu rosto tenso. Ele era tão bonito, não merecia nada disso.

Ele afirmou positivamente e selou sues lábios contra os meus antes que eu tivesse qualquer outra reação. Seus lábios doces e quentes, era inevitável corresponder ao seu beijo. Mesmo que tenha sido curto, pude sentir minhas pernas bambas e meu coração ameaçando sair correndo de meu peito.

Meu senhor, por que? Porque um homem desses nunca poderia ser meu...

- Vou ter que sair agora, problemas na empresa. Mas ainda quero matar minhas saudades de você, Bella. – Ele sorriu malicioso.

Não pude controlar, senti minhas bochechas queimaram ao entender seu comentário. Ele me olhou divertido e meio abobalhado.

- Esta corando?  - Perguntou, já passando os dedos por meu rosto. Dei um sorriso envergonhado.

- Tenha um bom dia na empresa.  – Me despedi mas não consegui me mover de seu caminho, estava no meio de um dilema, deveria ou Não beijá-lo?

Ah droga, você é a mulher dele, Bella! Pelo menos esta no lugar dela...

Joguei tudo pro ar e lhe dei um selinho demorado.  Apertei meus olhos com força, tentando impedir que a vontade avassaladora de beijar seus lábios mais profundamente me tomasse. Pude sentir seu sorriso em meus lábios. Me afastei rapidamente, olhando corada antes de ir atrás de Renesmee.

Eu deveria me controlar. Anabella nunca sentiria vergonha em realizar esses atos, eu pro outro lado vivia corada perto de Edward. Ele iria perceber a diferença uma hora ou outra.

Peguei minha garotinha e fomos para dentro.

- Vamos tomar um banho e tirar esse cloro, princesa?

- O que é croro, mamãe?  - Perguntou.

- Ah é uma substância que matem a piscina limpa e ajuda a proteger a água para tomarmos banho, lindinha. Mas temos que tirar ele desse seu lindo cabelinho.  – Ela riu enquanto eu fazia cócegas em sua barriga. Renesmee estava em meu colo, e já íamos subir as escadas quando paro, ao perceber que Jessica trancava nosso caminho.

- Vejo que alguém aqui perdeu o medo de água.  – Destilou veneno, olhando diretamente para mim. Imediatamente a frase de Edward ecoou em minha mente. Ela estava tentando colocar contra mim. Não poderia culpa-la já que ela não fazia a mínima idéia de quem eu era. E com certeza, Jessica teria mil razões para tentar afastar Anabella desta família. Mas eu não iria levar tão calmamente seus insultos. Não gostava de brigar com ninguém, mas eu também não tinha sangue de barata.

Mas deixei passar, apenas pedi licença e continuei a subir.

- O que você acha de tomarmos banho juntas, amor? – Ela bateu palminhas, com um sorriso enorme.

- Eu acho um mlaximo, mamãe!  - Ri. Passamos pelo quarto dela, pegando uma muda de roupas e uma toalha limpa.

Fomos ate meu quarto. E eu preparei a banheira para que pudéssemos entrar. Apesar de ser linda, carinhosa e muito serelepe. Eu podia sentir que Renesmee era uma criança carente.  Com Edward trabalhando o dia todo, Anabella fora de casa fazendo suas bobagens, e as outras pessoas da casa tendo seus afazeres. Quem cuidaria dela como ela merecia? Não só ela, como Antony também, que me parecia uma criança triste e deslocada.

Mas eu faria de tudo para mudar esta situação. Ou não me chamaria Isabella Marie Swan.

Nos divertíamos muito, trouxemos alguns brinquedos do quarto dela e brincávamos a valer na banheira, peguei um pouco de espuma passando em seu nariz pequeno, ela ria e tentava fazer o mesmo comigo.

Depois de mais de meia hora dentro da banheira tivemos que sair. Já estava ficando frio, troquei a roupa de Renesmee, trocando a minha logo em seguida.

Já estava quase na hora do almoço quando descemos para nos juntar ao resto da família Cullen. Renesmee saiu em disparada pela grande sala de estar, indo para a sala de jantar.

E quase trombou com Jessica nesse trajeto.

- Olhe por onde anda, garota! – Ela exasperou em um tom que não me agradou muito. Renesmee se assustou, fiando com olhos cheios de lagrimas.

Olhei mortalmente para Jessica, pegando na mão de Renesmee.

- Não grite com ela.  – Falei seria a encarando. Ela riu debochada, ia falar mais alguma coisa, mas foi interrompida por Esme e Carlisle que entravam na sala.
Sentei Renesmee em sua cadeira e me sentei ao seu lado. Antony ainda não havia chegado, o que era estranho já que já deverei ter saído da escola.
- Que prazer termos você de volta, Anabella. Você fazia falta aqui. – Carlisle falou enquanto se acomodava em sua cadeira.

- Obrigada, Carlisle. É bom estar aqui. – Respondi educada.

- Deve ter se cansado de ficar torrando o dinheiro da família por ai... – Jessica falou sarcástica. Todos na mesa a olharam, inclusive eu.

- Jessica, por favor... – Mike a repreendeu. O que pareceu deixa-la com mais raiva ainda.

- O que? Não é verdade? E eu acredito que a empresa esteja falindo por causa dela! Que não pensa no esforço dos Cullens na hora de comprar seus perfumes ou fazer essa viagens pelo mundo!

Me senti mal por estar sendo acusada de coisas feita por outra pessoa. Mas a frase de Jessica continuava em minha mente, a empresa estava falindo?

Olhei para Carlisle esperando que ele a desmentisse. Mas não ele abaixou a cabeça, parecia triste, derrotado. Não acredito que Anabella estava fazendo mal a este ponto para esta família. Estava acabando com a forma de sustento dos Cullens também?!

 - Carlisle? – Tentei. Ele apenas balançou a cabeça negativamente, parecia não querer façar mais sobre o assunto.

Ali eu soube que teria que interferir, fazer o que quer que fosse para não deixar o patrimônio Cullen morresse. Quando Edward chegasse eu perguntaria o que realmente estava havendo com a empresa. E o ajudaria a se reerguer, a situação estaria tão critica assim?

- A empresa Cullen não vai fechar!  - Falei em voz alta, Ganhando alguns olhares confusos.

Não enquanto eu – Isabela Swan  pensei – Estiver aqui.

Falei convicta, esperando que minhas palavras fossem ouvidas e levadas a serio. Continuei almoçando, ajudando Renesmee quando  se enrolava com os talheres. Iria resolver isso assim que Edward voltasse para casa...



Continua...

Nenhum comentário:

Postar um comentário