Inicio Quem escreve Confira as fanfics Li e recomendo Dicas, tutoriais e muito mais Fale comigo Image Map

Isaacbella - Cap 02 - Isabella

"Minha transformação se finalizará quando o fim da vida chegar.Até lá,serei apenas um centro de constantes transformações!"
Laynne Criskel

Cap 02 - Isabella

Bella PDV

Isso não podia estar acontecendo comigo, simplesmente NÃO PODIA! Passei as mãos pelo meu rosto, desesperado.
Bati em minha cara, esperando acordar. Mas não parecia que eu estava dormindo.

 Meu Deus! Meu Deus! Meu Deus! MEU DEUS!


Isso só pode ser um pesadelo! Será que alguém colocou algum tipo de droga na minha bebida?! Será que enquanto eu dormia fui tele-transportado para outro mundo paralelo a esse?! Será que isso é uma pegadinha?! Por que se for não tem graça nenhuma! A onde estão as câmeras?  Cadê a Ophra?

Olhei no espelho novamente. NÃO! NÃO! NÃO! NÃO!

- AAAAAAAAAAAAAAAAHHHHHHHHHHHHHHHHHHH! – gritei novamente. Mexi minha mão direita para lá e para cá, certificando-me que não era outra pessoa que me encrava no espelho. Meus olhos continuavam arregalados em meu reflexo no espelho, eles ainda eram da mesma cor, verdes. Mas o resto... Meus cabelos estavam maiores, descendo por meus ombros! Meu rosto estava mais alongado, linhas finas e frágeis, minha boca, minha boca estava rosada, mas meus lábios continuavam cheios! Eu olhava tudo horrorizado! Meu rosto era de uma...

- AAAAAAAAAAAAAAAAAHHHHHHHHHHHHHHHHHH! – Gritei ainda mais auto ao reparar a voz fina que saiu de minha boca.

- Mas o que esta acontecendo aqui?! – Alice apareceu, arrombando a porta do meu quarto. A porta do banheiro estava aberta, por isso ela me viu logo de cara.

- ALICE! ME AJUDAAAAAA! – Eu estava em desespero. Ela veio em minha direção, arregalando os olhos assim que me analisou direito.

- AAAAAAAAAAHHHHHHHHHHHH! – Ela deu um grito estridente – que com certeza ate as pessoas que passavam na rua lá em baixo, devem ter escutado - quando percebeu quem estava falando com ela.


- ALICE, PARA DE GRITAR E ME AJUDA! – Respondi, eu estava em pânico e ela fica gritando?!

- AAAAAAAAAAAAAHHHHHHHHHHHHHH! Quem é você?! Aonde esta o meu irmão?! – Ela se aproximou relutante, olhando-me das cabeças aos pés.

- AAAHHHHHHHHHHHHHH ALICE! SOU EU! – Sai do banheiro desesperado, batendo em minha cara para ver se acordava.

- Do que você esta falando?! Isaac?! Cadê você?! – Ela foi ate o banheiro, verificando, para ver se tinha mais alguém.

- Como assim?! Eu sou seu irmão, Alice! EU SOU O ISAAC!– Eu estava quase chorando, eu só podia estar pagando pelos meus pecados, mas tão cedo meu Deus?! O senhor não podia ter esperado eu morrer?!

- Que brincadeira é essa?! Cadê o Isaac?! – Ela ficou ao meu lado. – Não acredito que ele trouxe mulheres para cá, papai vai matar ele quando souber....
Choraminguei, olhei para o espelho novamente.


- AAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAHHHHHHHHHHHHHHHHHHH! – Eu não conseguia acreditar. Passei as mãos pelo meu corpo, à calça que eu usava para dormir parecia ter crescido... Ou fui eu quem encolheu?!


Quando meu olhar chegou abaixo de meu pescoço...


- AAAAAAAAAAAAAAAAAAAHHHHHHHHHHHHHHHH! ALICE! EU TENHO PEITOS! – Eu estava tendo um AVC, minha respiração acelerou e eu comecei a sentir falta de ar. E de repente tudo ficou escuro, e eu não vi mais nada.




Senti um cheiro forte de álcool próximo ao meu nariz. Aos poucos fui recordando a consciência, abri meus olhos relutante, e encontrei os olhos verdes de Alice me encarando. Balancei a cabeça que parecia estar rodando.

- Acordou bela adormecida?! – A quem ela estava se referindo? Tentei me levantar e reparei que ainda estava no chão.

- Alice?! O que aconteceu? Eu tive um sonho super estranho, um sonho não, um pesadelo é a melhor palavra, eu sonhei que...

Ela me interrompeu, balançado a cabeça negativamente e apontando para algum lugar atrás de mim. Não entendi na hora, então, virei-me para ver o que ela tanto apontava. E dei de cara com o espelho do quarto.

- OH Deus... – Foi a única coisa que consegui pronunciar. Me voltei para Alice e comecei a me desesperar de novo.

- Alice, por favor, me ajuda, eu juro que sou eu, Isaac. Faço qualquer coisa para te provar que sou eu, mas eu te imploro, faz alguma coisa... – falei praticamente me jogando aos seus pés.

- AAAAAAAAAAAAAAAHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHH!  - Ela respondeu.

- AAAAAAAAAAAAAAAAHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHH! – Eu a acompanhei, parecia que gritar era a forma mais rápida de acordar desse pesadelo!

Alice se aproximou de mim novamente. Olhou bem fundo nos meus olhos e...

- MEU SANTINHO CONSTRUIDOR DE SHOPPING’S!!!!! – Ela apertou meu rosto com a duas mãos, amassando minha cara. – É você mesmo Isaac?! Você esta ai dentro?!

- AAAAHHHHHHHHHHHH SOU EU ALICE! SOU EU! ME TIRA DESSE CORPO POR FAVOR!!!!

- Eu sei que é você, Isaac. – Ela me puxou para cima, fazendo-me ficar de pé novamente. Ela saiu do banheiro e eu a segui, não entendo nada.

- E como você sabe? – Perguntei, ainda aturdido.

- Eu comprovei com meus próprios olhos... – Ela deixou a garrafa de álcool em cima do criado mudo, e voltou para me encarar.

- Hãn?!  - Agora que eu não estava entendendo mais nada mesmo. Ela se aproximou de mim, pegando na barra de minha lusa de mangas compridas.


- Por causa disso! – Levantou minha blusa, apontou para minha barriga. Olhei para baixo, e a primeira coisa que reparei foi em meu abdômen, que já não estava definido, choraminguei com a visão. E depois meus olhos foram para onde ela colocou o dedo, era minha tatuagem, ela continuava lá, começando na parte de baixo de meu abdômen e indo para o começo de minha perna, acompanhei com meu olhar toda a extensão da minha linda tatuagem, só que não vi o final, pois estava dentro da causa de moletom que eu usava.


#Tatuagem da Bella



Foi ai que me toquei de uma coisa...


Olhei para Alice, sentindo que meus olhos estavam quase saltando das orbitas. Passei a mão vagarosamente por minha barriga e a enfiei dentro de minha calça. Eu estava praticamente em choque, minha mão procurava uma coisa, que pelo visto, não estava lá. Engoli em seco, pisquei algumas vezes e puxei o ar que estava me faltando.


- AAAAAAAAAAAAAHHHHHHHHHHHHH! ALICE! CADÊ MEU PINTOOOOOOOOOOOOOOOOO!!!!!!! – Eu mexia minha mão em todos os lugares, e não encontrava nada, NADA!  - NÃO! POR FAVOR! NÃOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOO!!!!!!!!!

Meu Deus, me tire tudo, mas não me dixe sem o meu “Isaaczinho”...

Senti as lágrimas começarem a se formarem em meus olhos, me sentia impotente, me sentia vazio, cara, cadê meu “amiguinho”?! Minhas pernas fraquejaram, e eu caí de joelhos no chão.


- Levanta Isaac, vêm, temos que descobrir como isso aconteceu. – Alice me puxou, mas eu não tinha forças para levantar. – Levanta logo, e para de ser frouxo, você não quer o seu amiguinho de volta?! Então. Me conta o que você fez ontem a noite?

Como ela conseguia manter essa calma toda?! Ela ainda não tinha reparado que o IRMÃO dela estava no corpo de uma... Eu não conseguia nem pronunciara as palavras. Mas me levantei, ela me puxou pela mão ate a sala, mas não pensava em nada, meu olhar estava desfocado e meu cérebro parecia não querer pensar direito.

- Isaac?! – Eu ouvia a voz de Alice ao longe. – ISAAAAAAAAAAAC!

Ela gritou, agora sim eu ouvi, mas não foi o suficiente para me trazer de volta. Mas não precisei me preocupar, senti meu rosto arder eminha cabeça virar para o outro lado.


- PORRA, ALICE! POR QUE VOCÊ ME BATEU?! – Gritai de volta, me levantando do sofá, coloquei minha mão do lado direito de meu rosto e senti que ainda estava quente, o baixinha pra ter força, essa.


- Desculpa, mas você parecia estar em estado de choque! – Se defendeu.
Joguei-me de volta ao sofá, colocando a almofada em minha cara e gritando a plenos pulmões, bate minhas pernas no sofá em pura revolta. Por quê? Por quê? Por quê? Por quê? Era a única coisa que se passava por minha cabeça.

- Agora, me conta, o que aconteceu? – Senti o sofá afundando ao meu lado. Como assim o que aconteceu?! Ela não entendeu ainda?! O meu pinto SUMIU!!!!!!!!!

Terei a almofada de meu rosto e a encarei. Levantei-me do sofá e comecei a andar de um lado para o outro.

- Eu não sei Alice, Depois que eu saí de casa ontem, fui para balada catei umas garotas e voltei para casa, troquei de roupa e fui dormir, quando eu acordei, fui escovar os dentes eu quando olhei para o espelho eu estava assim!  - Joguei as mãos para o auto.

- Tem certeza que só foi isso?!

- É claro que eu tenho Alice, agora você pode me explicar por que eu estou no corpo de uma... – De novo, eu não conseguia pronunciar aquelas palavra horripilante. Fui ate o armário onde guardávamos algumas bebidas, peguei a garrafa de uísque, enchi um copo que havia por perto e entornei tudo de uma vez. Vou me encachaçar para esquecer disso!

- Mulher... – Ela completou por mim, segurando o riso. Eu realmente não estava acreditando que ela estava rindo de mim! Era do meu corpo que estávamos falando!

- Me dê forças, Meu Deus! – Choraminguei, ao ouvir a voz que saia de minha garganta. Vou gargarejar com uísque, para ver se minha voz grossa volta! Enchi o copo de novo. Gargarejei.

- Isaac, tenho certeza que ficar bêbado agora não vai ajudar em nada! – Alice disse.


- Inter de Milão! – falei uma coisa bem masculina, mas não adiantou de nada! A voz continuava fina! Choraminguei novamente – Droga!!
Filho do capeta, esposa do diabo, maldito seja quem fez isso comigo!

- E agora?! Como eu vou te chamar?! – Alice, olhou para mim, e depois para o teto, colocando a mão no queixo, pensando. Espera ai! O Que?!

Eu estava pronto para brigar com ela, quando o telefone toca. Alice parou de rir na hora, e me encarou apreensiva. Minha garganta estava seca, parecia que eu estava há dias sem beber água. Eu queria atender, mas minhas pernas pareciam estar grudadas ao chão. Alice parecia tão imóvel quanto eu.

Ele tocou mais algumas vezes e caiu na secretaria eletrônica.


“Olá meu querido Isaac, sou eu Tânia. Eu sei que você esta ai, por isso não adianta fingir que não esta. Você deve estar se perguntando o que aconteceu?! Por que será que Isaac Swan, ‘o grande’ esta no corpo de um ser tão submisso, como o de uma mulher, não é?! Pois eu te digo o porquê, fui eu. Eu fiz isso com você!” – Ouvi uma risada, ela parecia estar se divertindo com tudo isso. Mas o que aquela louca estava dizendo?!

“E sabe por quê?! Por que você me enganou de todas as formas possíveis! Ontem, meu amor, você tirou minha virgindade, em meio a juras de amor eterno. E eu burra do jeito que sou, entreguei o que eu tinha de mais valioso, e quando eu acordo, você já não estava em minha cama. Eu te procurei pela casa toda, animada pensando que você ficaria para curtir o dia comigo, desisti quando percebi que você não estava em lugar algum. Me arrumei e fui para escola, louca para matar minhas saudades de você. E como eu fui idiota, te procurei pela a escola toda, e quando encontrei, desejei nunca ter nascido!

Você estava se agarrando com a vadia da Stanley! Eu não acreditava que meus olhos estavam me mostrando, liguei para você, na esperança de que você a empurra-se e de que tudo não havia passado de um engano. Mas não. Você mentiu para mim, e voltou a se chupar com aquelazinha. Foi ai que eu me dei conta do lixo que você é! Mas agora, eu não podia estar mais feliz, você vai sentir na pele, no que o você fez a mim e a tantas outras por ai. E nem tente me procurar, eu já saí da cidade. Você nunca mais voltará a me ver...”  - Eu continuava parado ali, no meio da sala, a poucos metros daquela maldito telefone, eu não conseguia processar, era muitas informações de uma fez só, quer dizer que ela estava lá, e viu tudo?! Agora sim, eu entendo por que ela estava chorando ao telefone.

“Por isso, adeus meu querido, ou devo dizer querida. Espero que aproveite sua nova vida e seu novo corpinho sarado” – Ela riu mais uma vez. Foi ai que minha ficha caiu e eu corri em direção do telefone, tirei do gancho e só pude ouvir o bip, ela havia desligado.


- MALDIÇÂO! Mas o que aquela filha da...

- Isaac! Da para você se acalmar?! – Ela me interrompeu.

- Acalmar Alice?! Como eu posso me acalmar em uma situação dessas?!  - Eu estava ficando nervoso de novo, minha voz se alterou. – Aquela louca faz uma sacanagem dessas comigo, e você quer que EU me acalme! Não sei se você já reparou, mas eu tenho peito!

Apertei a “coisa” a qual estava me referindo.

- E não é só um, eu tenho dois peitos! – Apertei o outro. – Agora faz as contas, eu tenho DOIS peitos e NENHUM pinto! – Puxei o elástico de minha calça, largando-a depois. - Você esta entendendo a situação?!

- Eu já entendi a situação, Isaac. Você acha que eu também não estou abismada com tudo que esta acontecendo. Você acha que é fácil, e se deitar no fim de mais um dia normal, e acordar no outro dia com gritos de seu irmão, que agora é irmã?! – Ela se aproximou de mim.

- Ai Alice, o que eu vou fazer agora... Espera ai que eu já volto, vou ali me jogar da janela, mas daqui a pouco eu estou de volta. – Fiz uma careta, ao me tocar da minha voz fina. Fui em direção a janela, olhei para baixo, nós moramos na cobertura, ou seja, não ia ter escapatória. Que morte trágica eu vou ter meu senhor...

- Deixa de besteira, Isaac. – Alice me puxou pela mão. – Pensa pelo lado bom.

Olhei para baixinha.

- Que lado bom?! – Perguntei apreensivo, to vendo que vai sair merda dessa boca. Lado bom de ser mulher?! Não encontro nenhum no momento!

- Eu sempre quis ter uma irmã! – Ela disse me abraçando! Seus cabelos curtos brincaram em meu rosto.


- Tá tirando uma com a minha cara, né Alice?! – Falei me afastando e a olhando no rosto.

- O pior é que não... – Ela me olhou sorrindo, e bagunçou meus – novos - cabelos, jogando-os na minha cara.

Comecei a choramingar novamente. E me separei dela.

- O que eu vou fazer da minha vida Alice?! – Perguntei, me jogando no sofá de bruços. – A escola, meus amigos, o time, o papai... – Paralisei ao me lembrar...

- Esta tudo bem Isaac, eu vou te ajudar, vamos atrás da Tânia, e encontraremos uma solução, você vai ver... Meu Deus Isaac! Não acredito! Que horas são?!

- E eu lá quero saber de horas Alice, esta acontecendo o apocalipse aqui e você se preocupando com horas!

- Não Isaac! Você não se lembra?! Você tem que pegar os Cullen’s no aeroporto!

- E eu com isso! Eles que se virem! Você acha que eu vou sair ASSIM de casa?!  - Apontei para mim.

- Isaac! Você sabe o que o papai falou! Se você não for ate lá, ele vai ficar muito chateado e não vai mais te mandar nenhum trocado! Ai sim eu quero ver....

AAHH! Não acredito! Estou passando pela pior situação da minha vida e ainda tenho que buscar os Cullen’s idiotas?! Que saco! Não posso ficar sem dinheiro agora!


- DROGA! – Falei batendo o pé no chão.

- Você sabe que eu tenho razão! – Ela me puxou pelo braço - Agora vem! Você tem que trocar de roupa!

Trocar de roupa?! Ela não ia querer colocar um vestido em mim?! Iria?! Como seu eu fosse deixar...

- O que você vai fazer, Alice?! – Ela estava me levando para o quarto dela.

- Vou te emprestar uma roupa! – Fiquei um momento em silêncio.

- ATE PARECE QUE EU VOU VESTIR ROUPA DE MULHER! – Gritei, me soltando dela.

- Meu querido, não sei se você já percebeu, mas agora, você esta no corpo de uma mulher! POR ISSO SE CONFORME! E NÃO DESCUTA COMIGO!

Meus olhos se arregalaram eu não falei mais nada. Senti meus ombros curvados, como se tivesse acabado de levar uma bronca de minha mãe. A segui ate o quarto, e ela parou. Virou-se para mim sorrindo, e abriu a porta - do que eu achei - ser a porta do inferno! O que era aquilo tudo?!


- É a primeira vez que você esta entrando no meu santuário, por isso, limpe os pés e descarregue todas as energias negativas que há em você antes de entrar aqui. – Ela parou na porta, bloqueando para que eu não passasse.

- Alice, esse é o sei closet?! – Perguntei abismando.

- Sim, e você deveria sentir-se privilegiadA de estar prestes a entrar nele.
Eu não respondi nada. Era simplesmente impossível alguém ter tantas roupas em um compartimento só! Olhei levantando uma sobrancelha assombradO – pensa que eu não reparei como ela se referia a mim?! – Ah, eu não vou entrar ai não! – Me virei já estava indo em direção a porta, quando sinto mão me arrastando pela blusa de volta ao closet.

- Ah, você vai sim! - Alice praticamente me jogou dentro de um compartimento – que acho que era maio que meu quarto – só de roupas! Mulheres! São todas iguais! Será que é agora que eu devo tentar saia correndo?

Depois de quase meia hora tentando convencer Alice de que eu não faria isso, eu desisti. Nós poderíamos ficar naquela discussão o dia inteiro, que ela não iria ceder. Irmãs pentelhas são um saco!

  
*Música* (Amores, link seguro)

Nós jogávamos roupas para todo o lado. Alice abria todas as gavetas que encontrava pela frente, eu abria todas as portas, despejando tudo ao chão.
Calças, bermudas, camisas e blusas, ela ainda fazia de jogar as roupas íntimas na minha cara! Desgraçada!

Eu pegava as lingeries – que estavam escondidas (que safada) - e jogava na cara dela, que ria. Ok, eu admito, estava sendo divertido. Coloquei uma calça jeans apertada, meu Deus, como as mulheres conseguiam andar com algo tão apertado?! Eu tive – literalmente – que rebolar para entrar na calça.

Alice pegou um sutiã e me ajudou a colocar - já que eu não consegui sozinho – eles eram bem mais fáceis de tirar, e NISSO eu era um expert... Mas isso não vem ao caso agora.

Ela me passou uma blusa decotada e vermelha, eu fiz questão de jogar longe. Hun, ate parece! Ela me olhou de cara feia mais não voltou para buscar a blusa, graça a Deus. Ela apareceu com uma blusa listrada, tipo fazendeiro, com mangas ate metade do braço, eu achei razoável, balancei a cabeça de um lado para o outro, mostrando minha opinião sobre a blusa.

Eu estava quase completamente vestida... Que?! Quer dizer, vestidO! Eu estava vestiDO!

Só estava faltando uma coisa... E era isso que me dava mais medo.

Alice veio em direção com um sapato alto, acho que se ela calça-se um sapato daqueles com certeza aumentaria meio metro, é, ate que na situação dela fazia sentido. Mas sai de meus devaneios quando ela o pendurou na minha cara. Estava louca se pensava que eu ia subir num negócio daqueles!
Sai correndo do closet e voei para o meu quarto, peguei meu all-star preto encostado na parede, e o calcei rápido, antes que ela viesse atrás de mim.

Quando ela apareceu, - com os sapatos na mão - eu já havia calçado, e ela nem teve tempo de falar nada, Apenais balancei a cabeça e balancei meu indicar negativamente. Ela bufou contrariada e saiu do meu quarto.
Não acredito! Eu finalmente consegui driblar Alice Swan?! Eu ainda desfrutava da vitória quando ela apareceu novamente no quarto, sorridente, carregando uma maleta metálica. Ela foi ate a cama, depositou a maleta lá e eu me aproximei curiosa.
Baixei a cabeça, é, eu comemorei cedo demais. Era uma maleta de maquiagem! Mas que droga! Eu implorei me jogando no chão e ficando de joelhos, mas não adiantou, ela me levantou e me jogou em uma cadeira que havia por ali, pegou a maleta e começou a sessão de tortura.

Quando eu pensei que ela estava acabando, não, ela aparecia com alguma coisa diferente, melecando meu rosto.
Finalmente ela me puxou. Sorriu para mim e me virou para o meu espelho de corpo inteiro. Eu levantei uma sobrancelha e dei um assobio, que gata! Se algum dia que encontrasse uma mulher daquela na rua, eu com certeza catava.
#Roupa da Bella :

- Esta pronta maninha! – Ela disse apertando minhas bochechas. Fomos para sala, eu peguei as chaves do meu carrinho, e fui em direção a porta. Agora eu sentia minhas mãos tremerem. Sair por ai vestido de mulher, e o pior, no corpo de uma mulher, certamente não estava em meus planos.

Eu estava me sentindo um travesti!

Abria porta e me segurei no batente, olhando para todos os lados, verificando se havia alguém no corredor.

- Hei, esquecemos de uma coisa! – Ela gritou. Olhei para trás.

- O que?

- O que você vai dizer para eles?! Qual vai ser o seu nome? – Ele se aproximou. Levantei a sobrancelha em desespero, e agora?
- Eu não tinha pensando nisso...


- Já sei! – Ela dava pulinhos em minha frente. – Você é... Isa... Isa... Isabella! Isso! Seu nome é Isabella, e você é uma irmã que veio do exterior para morar comigo, já que o Isaac saiu em uma viajem com namorada dele.

Quanta imaginação esse menina tinha! Ela falou tão rápido que levei um tempo para absorver o que ela havia dito. Mas nem discuti, não tinha outra alternativa mesmo. Balancei a cabeça e quando já estava saindo ela me chamou novamente.

- Bella! – Que porra de apelido era aquele? Virei-me para reclamar, mas não deu tempo nem de abrir a boca.

- Você tem que parar de andar dura! Você não é mais homem! Não tem nada no meio das suas pernas, para você andar aberta desse jeito! Por isso, comece a rebolar!

Bufei, não acreditando, me virei e mostrei o dedo do meio para ela, enquanto andava. Quando cheguei perto do elevador, ainda pude ouvir sua risada ao longe.


Entrei no elevador e as portas se fecharam. Cullen’s, ai vou eu!


Continua...

4 comentários:

  1. Cade o meu pinto, car ri muito nessa parte, e serio eu quase tive uma incope, mi nha mamis achou que eu tava tendo um treco.]
    to adorando a história, amei se blog.

    ResponderExcluir
  2. kkkkkkkkkkkkkkk Cara, eu tbm me divirto muito nesse capitulo! kkkk Obrigada, amore. É muito bom saber que vc esta gostando. ;3

    ResponderExcluir
  3. Socorro!! sdfghjklgsudkqxjsnfjslsgekegd

    ResponderExcluir
  4. KKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKK

    Rolei no chão de tanto rir dessa cena! Aigooo! Isso foi bem merecido! KKKKKKKKKKKKKKKKKk

    Cadê meu pinto??????????!!!!!!!!!!!!!!!!!!!

    KKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKK

    ResponderExcluir